Coordenador geral do Interlegis participa de Ciclo de debates em Brasília

Coordenador geral do Interlegis participa de Ciclo de debates em Brasília

O professor, Luís Fernando Pires Machado,Coordenador geral do Instituto Legislativo Brasileiro que faz gestão do programa Interlegis, participou na tarde desta quinta-feira (03) do ciclo de debates e Encontro Nacional de Legislativos Municipais. Que discorreu a respeito da transformação digital nas câmaras municipais neste tempo de pandemia e colocando as boas práticas legislativas com ideias legislativas para que venha a ter as consequências favoráveis no mandato do vereador,nesse sentido em tempos de pandemia o vereador oque mais faz é indicação, a maior produção legislativa quem tem é o vereador, oque não torna uma métrica amigável e favorável ao vereador.

O importante é que além de legislar colocando leis boas com qualidade  e com impactos social positivo conforme a legística também possa realizar a fiscalização das políticas públicas em seu município e como isso tem se comportado.O momento é oportuno de usar as redes sociais em benefício dos seus eleitores, redes sociais pessoal de cada candidato e nao utilizar de  forma alguma  o site a Câmara Municipal para esse momento de campanha, visando não ter a promoção pessoal usando os veículos de comunicação públicos.

Boas ideias legislativas que temos desceminado por todo país a exemplo da chipagem dos animais principalmente  aqueles que são abandonados pelas ruas ,os carroceiros que colocam chip nos animais para transitarem pelas ruas,até por conta da idade do animal o sacrifício que se faz, pontuou o professor Luis Fernando.
Debatido também a função social que a Câmara deve exercer em comprimento a carta dos direitos dos usuários do serviço público com o programa jovem ressocializado ,essa é uma prática utilizada para que os jovens em medidas socioeducativas que não tem alcance da escolarização de está dentro do programa jovem aprendiz, do Senai do Senac e do ensino médio, ou seja da ocupação, e seria merecida se a própria a Câmara criasse o programa jovem ressocializado com a presença de um tutor servidor da Câmara que seja destinado a cuidar deste jovens nesta situação e com a bolsa de incentivo ou seja uma ajuda que poderia ser disponibilizado e utilizar o valor de fundo especial de natureza contábil que é uma realidade em muitos municípios.
Outro ponto discutido foi a sala do empreendedor, que consiste em uma sala digital para os alunos carentes e propor o legislativo e até mesmo para a mulheres vítimas de violências doméstica,nessa transformação digital ter canais direto com a Câmara inclusive com leis de prevenção a está violência.

Share This: