Câmara mantém veto de Bolsonaro e barra regra mais frouxa para candidato ficha suja

Câmara mantém veto de Bolsonaro e barra regra mais frouxa para candidato ficha suja

Presidente derrubou trecho da minirreforma eleitoral que estendia até a data da posse o prazo para aferição das condições de elegibilidade dos candidatos

A Câmara manteve nesta terça-feira (10), em sessão do Congresso, os vetos do presidente Jair Bolsonaro à possibilidade de se usar dinheiro público para pagamento de multas de partidos e à ampliação do prazo para se verificar se um candidato é ficha suja.

Foram 193 votos a favor de manter os vetos e 223 contra. Para derrubar um veto, porém, são necessários 257 votos de deputados. Como este número não foi alcançado, os vetos não precisaram nem passar pelo Senado.

Bolsonaro vetou um trecho da minirreforma eleitoral aprovada em setembro que estendia até a data da posse o prazo para aferição das condições de elegibilidade dos candidatos. Hoje, isso ocorre no momento de pedido de registro da candidatura.

Projeto que autoriza prisão após condenação em segunda instância avança no Senado Projeto que autoriza prisão após condenação em segunda instância avança no Senado

Apesar de desidratação de pacote anticrime, Moro diz que texto traz medidas “muito positivas”Apesar de desidratação de pacote anticrime, Moro diz que texto traz medidas “muito positivas”

A Lei da Ficha Limpa, de 2010, impediu a candidatura de políticos que tiveram o mandato cassado, dos que foram condenados em processos criminais por órgão colegiado e daqueles que renunciaram aos seus mandatos para evitar um possível processo de cassação.

É a checagem desse histórico, que será mantida, que é feita até o registro da candidatura.

O governo diz que o dispositivo que havia sido introduzido pela minirreforma gerava insegurança jurídica para a atuação da Justiça Eleitoral.

Os congressistas não conseguiram também retomar a permissão para uso do fundo partidário para pagamento de juros, multas, débitos eleitorais e demais sanções aplicadas por infração à legislação eleitoral ou partidária.

Para o Planalto, a proposta ofende o interesse público por utilizar o fundo para a defesa de interesses privados dos partidos, “desvirtuando a utilização dos recursos destinados ao atendimento das finalidades essenciais da agremiação política, como instrumento de efetivação do sistema democrático”.

— O candidato vai lá, comete um crime eleitoral sujeito ao pagamento de multa e o partido banca o pagamento desta multa com dinheiro que vem do fundo partidário. Ou seja, é um absurdo, porque não há mais nenhuma penalidade para o candidato — ponderou o líder do Novo, Marcel Van Hattem (RS).

— É muito importante preservar a autonomia dos partidos políticos, garantir que haja a possibilidade de os partidos serem estruturas sólidas, estruturas que funcionem, prestando contas, naturalmente, aos filiados, mas com corpo jurídico, técnico, com sede, com condições de cumprir as atribuições dos partidos políticos — afirmou o líder do PC do B, Daniel Almeida (BA).

Parlamentares e técnicos ouvidos pela reportagem disseram que deputados não se mobilizaram nesta sessão desestimulados pela sessão da semana passada.

Num desentendimento entre Câmara e Senado, senadores contrariaram os deputados e mantiveram na sessão passada o veto ao dispositivo que recriava a propaganda partidária em rádio e televisão.

Extinta em 2017 para a criação do fundo eleitoral, que injeta recursos públicos nas campanhas, a propaganda partidária havia sido recriada pelos parlamentares.

TSE aprova criação do 33º partido político do BrasilTSE aprova criação do 33º partido político do Brasil

Capitães da Brigada Militar terão aumento de até 60% com aprovação do pacote do PiratiniCapitães da Brigada Militar terão aumento de até 60% com aprovação do pacote do Piratini

Bolsonaro vetou todos os pontos que tratam desse assunto sob a justificativa de que, ao assegurar o acesso gratuito a tempo de rádio e TV, a proposta aumenta a renúncia fiscal e, consequentemente, majora a despesa pública sem o cancelamento equivalente de outra despesa obrigatória.

Além disso, o governo afirma que a propositura do Legislativo não traz estimativa do seu impacto orçamentário e financeiro, contrariando a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Há duas semanas, os parlamentares derrubaram sete dispositivos que o presidente havia vetado na minirreforma eleitoral. Apenas um item foi mantido.

Entre os trechos retomados na sessão passada está a permissão para uso do fundo partidário para gastos com passagens aéreas, independentemente de filiação partidária, para eventos relacionados à legenda, como congressos, convenções ou palestras.

Também foi derrubado o veto ao trecho que trata da regra sobre a composição do valor do fundo eleitoral usado para financiar campanhas. O valor final será definido na votação do projeto de Orçamento da União para 2022.

Foi mantido o veto ao trecho que permitia aos partidos políticos prestar contas por qualquer sistema de contabilidade disponível no mercado.

Fora da minirreforma eleitoral, também foi mantido veto a uma propositura que dava preferência na ordem de pagamentos à indenização a marisqueiras impossibilitadas de trabalhar por causa de desastres ambientais. No fim de novembro, líderes partidários e o governo haviam combinado a manutenção deste veto.

As sessões do Congresso têm sido marcadas por longas discussões de bastidores. O tema mais recorrente é a insatisfação dos parlamentares com a articulação política do governo e com o fato de o Palácio do Planalto ainda não ter pagado todas as emendas prometidas em troca da aprovação da reforma da Previdência.

Nas últimas reuniões, entrou na polêmica a votação de projetos de lei para abrir ao Orçamento de Investimento crédito suplementar no total de cerca de R$ 22 bilhões para órgãos do Executivo, Judiciário e Ministério Público.

Na semana passada, parlamentares travaram as votações até que o Planalto encaminhasse um projeto que tratava de vetos feitos à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Este texto dificulta o contingenciamento porque estabelece metas e prioridades. Assim, os cortes têm que ser feitos antes em áreas consideradas não prioritárias.

Nesta terça, o desentendimento foi em torno de um projeto que libera R$ 2,2 bilhões para senadores. A Câmara resistia votar esta proposta em retaliação aos senadores que garantiram a manutenção do veto à propaganda partidária em rádio e TV.

fonte:www.gauchazh.clicrbs.com.br

Share This: