UCMMAT vai discutir direitos e qualificação de agentes de saúde e de combate a endemias em CST

UCMMAT vai discutir direitos e qualificação de agentes de saúde e de combate a endemias em CST

Discutir a qualificação técnica e estudos de legislação dos agentes comunitários de saúde (ACS) e agentes de combate a endemias (ACE) é o objetivo da Câmara Setorial Temática (CST), instalada na última sexta-feira (16), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. A iniciativa é do deputado estadual Max Russi (PSB).

A União das Câmaras Municipais de Mato Grosso (UCMMAT), representada no ato pela assessora de comunicação da entidade, jornalista Dayane Senna participou do evento e assumiu o compromisso de trabalhar com todas as Câmaras do Estado em prol dos direitos dos ACS e ACE. “Iremos discutir com os vereadores a importância deste assunto para a sociedade, é uma classe que precisa de atenção dos poderes. A UCMMAT vai se empenhar para que os direitos dos agentes sejam garantidos em todos os municípios. A Câmara Setorial é um grande avanço, onde possibilitará também a qualificação dos trabalhadores e quem ganha com todo este trabalho são os munícipes”, disse.

O deputado estadual Max Russi (PSB) é o presidente da CST. “É para discutir as problemáticas dessas categorias, ver os problemas dos municípios”, explica o parlamentar. “Além de fazer o debate da melhoria salarial, de condições de trabalho, também vamos fazer o debate de qualificar, de preparar, para que esses profissionais possam desempenhar um trabalho ainda melhor na saúde básica no estado”, completa Russi.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Agentes de Combate às Endemias de Mato Grosso (Sintrace-MT), Wilson Cutas, as principais demandas das categorias incluem o pagamento de insalubridade (já aprovado em 2017) e de gratificações aos profissionais, e a aplicação do piso nacional no estado. “Quanto mais um município gastar com um agente comunitário de saúde e com um agente de combate a endemias, ele vai economizar um valor muito grande no pronto-socorro, na UPA e na policlínica. Ali ele [agente] combate, ele orienta, ele previne”, defende Wilson Cutas.

A relatoria dos trabalhos ficará por conta do assessor jurídico Carlos Eduardo Santos, que destacou a possibilidade de participação de outros órgãos nas discussões, diferentemente de quando o assunto era tratado por frente parlamentar. “No caso dessa CST, nós temos Ministério Público do Trabalho, Ministério Público de Contas, Defensoria do Estado, sindicato da categoria, UCMMAT [União das Câmaras Municipais de Mato Grosso] e Escola do Legislativo”, listou.

“Com esses membros, vamos poder discutir e ajudar… Por exemplo, via UCMMAT, que os vereadores proponham projetos de lei voltados para essas categorias. A Defensoria Pública vai ser um auxílio para que eles possam pleitear na justiça algumas demandas relativas às categorias”, acredita Carlos Eduardo Santos. Segundo o relator, muitos direitos previstos em legislação federal não são aplicados em Mato Grosso.

A Escola do Legislativo também terá um papel importante na CST. “Os agentes necessitam de capacitação, de qualificação. Nós fomos convocados para desenvolver um projeto que pudesse atender a todos os agentes do estado. É um projeto interessante e ambicioso. A ideia é que se tenha dez polos no estado tendo qualificação todos os meses”, adianta o coordenador da Escola do Legislativo, Eduardo Manciolli. Ele diz ainda que cursos foram pensados para atender tanto a quem tem graduação quanto a quem não tem. Durante o encontro, foi lembrado que promover qualificação pelo menos a cada dois anos é algo já previsto em lei.

A Câmara Setorial Temática tem prazo de 180 dias para concluir os trabalhos, podendo ser renovada por mais 180 dias. A primeira reunião técnica está prevista para o dia 2 de setembro, quando também deve ser debatido um calendário de visitas técnicas a diferentes municípios.

Por Assessoria UCMMAT/ALfonte:www.ucmmat.org/

Share This: