Vereador de ideias unicamente locais e Vereadores de inserção nacional- Qual a diferença?

Vereador de ideias unicamente locais e Vereadores de inserção nacional- Qual a diferença?

Que tal uma releitura no papel do Vereador em sua cidade?  Ou será que dá para extrair mais produtividade parlamentar através dos mesmos métodos assistencialistas ou de fiscalização da zeladoria como sempre?

Convido a pensarmos diferente.

A fiscalização em si dos atos da prefeitura e das condições da infraestrutura e serviços do município é importantíssima. Mas não podemos esquecer que a fiscalização subordina-se aquilo que a Prefeitura faz ou deixa de fazer, transitando no entorno do que é um plano de trabalho ou plano de manutenção de uma determinada gestão.  Será que é suficiente para a cidade?

Penso que o trabalho do Vereador pode ser mais valioso.  Todos os programas sociais e de interesse público hoje em dia podem ser muito impactantes, e muitas vezes, mais do que setorialmente.

Acredito que o Vereador tem também o papel de exercer o mandato como agente de aperfeiçoamento das políticas públicas locais.   Ter o olhar externo para saber quais inovações podem ser trazidas para a cidade. Afinal, o cidadão tem pressa…

O que pode ser feito para melhorar a educação?  Que exemplos podem ser buscados e observados em outros municípios do país?  Quais as diferenças em relação aos processos locais?

Como potencializar mais as estruturas da saúde?  Quais as parcerias possíveis?  Como otimizar os prédios públicos, seus horários de atendimento e como suprir eventual ausência de pessoal ou equipamentos?

O fato é de que a inteligência e o conhecimento, mais a informação, são a única possibilidade de suplantar a falta de verbas recorrente aqui e ali.  O Vereador no exercício de seu mandato está ali também para fazer política, aproximar, colocar as pessoas certas juntas, criar ambiente para decisões melhores, forçar o debate para tomada de decisões, ajudar a aprimorar e enriquecer as opções possíveis para aquele município.

Isso não é teoria e pouco se ensina. Ensina-se a como prestar contas adequadamente, ensina-se o regimento interno, lei orgânica, processos legislativos, mas quase nada se ensina sobre o que fazer de melhor com o mandato para sua cidade. Como ao invés de se perder apenas no combate político, levar soluções para a sua cidade.

Para tanto é preciso ter um olhar local e um olhar para fora. A maior parte das soluções aliás está fora do município. Está nas parcerias, seja com o poder público de diversas instâncias, seja com a iniciativa privada.

A vantagem leva o Vereador que tem essa dupla visão: local e externa. Quanto mais conhecimento tiver e captar fora de sua cidade, mais poderá ajudar localmente.  O Vereador poderá readquirir o status de planejador do município, aglutinador de forças para mudanças e idealizações de projetos de interesse público.

Por Sérgio Lerrer é especialista em comunicação legislativa e Publisher do Pro Legislativo.

Share This: